terça-feira, 5 de abril de 2011

Mulher ,,,moça...criança...sempre mulher....Estel@

Mulher...moça...criança
 sempre mulher!
Estel@ 
Quando nasce para o mundo, abre aquele choro, isso vai se tornar uma moeda de troca (no bom sentido), mas logo se torna charmosa, muito rosa, fitas, rendas, frufrus, sacolas, sacolinhas e afins...
Muito charme vem por aí...
Cresce um pouquinho, de colimho em colinho, fazendo gracinha e muito biquinho, já com um arsinho de que "estou conquistando a todos", e o pior que está mesmo!
Fase das bonecas, dando um colinho, trocando roupinha, que para  sempre fará parte de sua vida. 
Adolescência, santa intensidade. tudo vira história, tragédia grega perde longe, uma novela mexicana de dar gosto, sofrendo por amores não correspondidos, da franja que ficou mal cortada, da unha que lascou, do "ninguém gosta de mim", e o maior sofrimento....o amor que acabou... quanta dor! Mas até a próxima festa, porque...."claro não existe ninguém mais bonita e charmosa que eu."
Uma boa alta estima....
juventude....a bela e eterna juventude (sabemos que não é tão eterna assim), tudo muda, tudo vê, e todos a veêm com aquele jeito sapeca, aquela blusa sem graça, que vai ficar com muita graça cobrindo os pequenos seios, sempre apontados para o alto, o que dá segurança e atitude. No passeio,  chama a atenção dos rapazes, muitos " fius...fius..." cabelos soltos lisos e muita chapinha, em resumo esplendor e a tentação , caminhando juntos.
Trinta, quarenta, ninguém segura, cheia de atitude, linda, dona de si, segura, com uniões, desuniões, empregos e  
desempregros, frustações metas alcançadas, palavras de consolo, tantos desejos, tantas realizações , e por fim a maior das emoções.... seus filhos! E, com muita dignidade e credibilidade  a mulher faz história.
A fase das cinquentinhas, sessentinhas, boa fase, sabe de tudo, ainda enxerga horizontes, tem seu espaço conquistado. Fala o que pensa, mas pensa no que fala, e ainda pronta para o mundo.
Aos oitenta, a calma, paciência, a verdadeira maturidade, com muita sabedoria, a dedicação, companheirismo e a plenitude de olhar para traz e ver....
O tempo passou.....mas valeu a pena, porque ela sabe que sempre renacerá em outra mulher.
E, quando tiver que partir, saberá que deixou uma receita, uma música, uma marca e uma história de vida, tendo a certeza de que cumpriu seu papel de luz entre os homens, e para sempre deixará uma grande saudade

Um comentário:

Sônia Silvino disse...

Estela, minha talentosa amiga!
Tenho uma surpresa para você aqui:
http://confrariadasoninha.blogspot.com/2011/04/saudades-da-estela.html
Espero que gostes, amiga!
Te espero lá!!!
Beijos meus!